domingo, 3 de maio de 2015

Ravel / Béjart: Bolero (Nicolas Le Riche)

...e por que gastar palavras? A despedida de Nicolas Le Riche da Ópera de Paris em 9.7.2014.


Está tudo aí. Dito. Na música. Na coreografia. Nos movimentos de todos os bailarinos. Em casa segundo...

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Leaves are fading (Antony Tudor): Gelsey Kirkland & Ivan Nagy

How can anyone on their right mind forget that?



Antony Tudor (1908 - 1987), born "William Cook", choreographed this masterpiece in 1975...
One of his last works.
He worked intensly with (lovely) Gelsey Kirkland and Ivan Nagy...

Even if the video leaves us wishing for more quality... who cares?
Something to remember. Always.

domingo, 26 de abril de 2015

"Hello Dolly!": It only takes a moment


Como já várias vezes disse aqui, é interesantíssimo como o passar do tempo, a maturidade, a idade nos dá o presente de novas “leituras” sobre um mesmo tema.
Um livro assume toda uma outra perspectiva, um quadro nos mostra mais luz, numa canção nossa atenção é captada por uma tal palavra até agora não ouvida e por sua entonação agora entendida, um acorde musical nos revela outros mundos anteriormente não vistos, um poema é agora compreendido de forma completamente diferente como se nos contasse uma nova estória… e por aí vai a lista do fascínio que o passar do tempo trás consigo…


Como de costume tendo a relatar estes acontecimentos (o fato de uma nova leitura) aqui.
Hoje acrescento à lista uma canção de “Hello Dolly!” que na realidade nunca havia me prendido a atenção… Revendo este (maravilhoso) filme de Gene Kelly (sim, ele dirigiu-o) minha capacidade de observação foi ativada ao ver esta cena, deixando-me o prazer desta nova leitura, deste compreender a verdade que o autor quis dizer em “It only takes a moment”… Bem, pelo menos a verdade que agora imagino compreender… Só o futuro pode dizer o que entenderei em 20 anos já que há mais de 20 anos mal podia esperar para esta cena passar já que achava-a chata e melodramática ao excesso... Tudo muda!

De volta ao “Hoje”:
Peguei-me dando conta da imensa lista de coisas que se concretizaram na minha vida num só momento, num instante… como que num instante se sabe que “aquela” será uma amizade para toda a vida? Que aqueles olhos só dizem verdades? Que um carinho é eterno ? Que um amor começou e será eterno?


It only takes a moment… é verdade, hoje!
Um jovem Michael Crawford acompanhado da maravilhosa Marianne McAndrew, doce, afinada Marianne McAndrew - que infelizmente nunca chegou a ter uma real carreira, que pena - e o "coro" de "Dolly" incluindo a linda bailarina E.J.Peaker e o jovem, cedo assassinado, Danny Lockin, um desses raros talentos que aparecem só cada 100 anos...

P.S. Não sei dizer por quanto tempo esta cena estará disponível no Youtube (já que me parece que o filme "Dolly" tem seus direitos de copyright bem restritos...) por isso aproveitem a chance: It only takes a moment... e é um "momento" bem investido...





e para quem se interessar, um trailer bem longe dos chatos, repetitivos, cansativos "tiques marilia-peirenses" que tive que assistir na minha última estadia carioca...

domingo, 19 de abril de 2015

Ethel Waters: Taking a chance on love


Vasculhando, cascavilhando e escarafunchando memórias, guardados e arquivos de filmes de Vincente Minnelli num domingo de primavera, encontrei esta maravilhosa cena de Ethel Waters em "Cabin in the Sky" (MGM, 1943), um filme com um elenco todo negro que nunca pode ser passado no Sul dos E.U.A....


Maravilhoso trabalho... infelizmente muito esquecido... mas este também é um dos motivos da existencia das "As Tertúlias":
ajudar a memória...
manter a memória...
E aqui "entre nous": existe rosto e sorriso mais simpático do que o de Ethel Waters? Sim talvez o e Louis Armstrong...



Dedico esta "tertúlia" para uma pessoa que considerava amiga, que amava esta cena e que depois de 30 anos mostrou-me ontem quem é.
A sua agressividade pode ter-me machucado no momento e ter-me também roubado um pouco do equilíbrio emocional...

mas é incapaz de me tirar uma coisa: meu bom-humor...

Obrigado por ter-me ensinado isso. Boa Sorte na sua vida, Susanne Satek!

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Wiener Staatsballet: Giselle Rouge (Première April 12th, 2015, Volksoper)


Not an easy task to tell Olga Spessivtseva’s „story“. Not even to suggest it.

Choreographed in 1997 this intelligent work is not concerned with simple “story telling” - especially because of the many divergences in her biographies - it goes much further...


Boris Eifmann used an extreme creativity to surpass a classic plot and suggest emotions, life aspects and events in a much more dramatic and effective way.
Ignoring the conventional line development of a “theatre plot” (that in fact has not much to do with the “dance idiom”) he hints lightly at facts and evokes general feelings that cannot be placed on an exact time or room or country, but which were part and nearly a kind of “condicio sinequanon” of Spessivtseva’s mental instability.

Not to be really compared with his “Anna Karenina”, which conceals a much more conventional “script line”, his “Giselle rouge” fascinates more because of its very openly aggressiveness, madness, nervousness and also because of the fact that its language is freed from the burdens and obligations that classic “story-telling” brings along with it.

I am sure that this is the reason why its language is so much more fascinating and appeals so much more to Ballet-goers. This is ballet.

(Copyright: Wiener Staatsoper/Delbo_Casanova Sorolla)

Eifman, as I read quite recently, was described as a “philosopher choreographer”. And I could not have agreed more with this description.
He is so deeply absorved by and concerned with the secrets of the creative process and how very difficult these may be.
He reveals little – but very directly – to his audiences, making them a part of the ballet.
He “discusses” with Ballet-goers about complicated, dramatic aspects of life.
And all this without fear and never going too far. He defined his own genre as “psychological ballet”. And once more I could not have agreed more.

It was a pleasure and an honour for me to observe him from so nearly during the party after the Première.

(Copyright: Wiener Staatsoper/Delbo_Casanova Sorolla)

Even though I was judging this work as too “highbrow” to the customary, average Volksoper-audiences it did not surprise me a bit to witness such strong applause at the end of the evening.

I was just sort of speechless with the unjustified applause at the end of a “Charleston” (“Yes, Sir, that’s my baby” to be more precise), a popular piece that reminded me of the very strange Bolshoi “odes” to America at the beginning of the 80’s, which I had the chance to witness here in 1982.

(Copyright: Wiener Staatsoper/Ashley Taylor)

That was the only time in which the audience betrayed itself – not just by applauding a very popular “hit” but also for giving itself away revealing such lack of “connoisseurship” to the rest of the score – marvelously put together by the way, especially the use of different Alfred Schnittke’s pieces at the “mad scene” in which Olga really lost her mind (was it in Australia? Some speak of the States) not knowing anymore what she was dancing, improvising, forgetting where she was or which Ballet she was in…

(Copyright: Wiener Staatsoper/Ashley Taylor)

Roman Lazik did a good job as "the partner" - supposedly Serge Lifar. It cannot be said that Olga really had this "flirt" with Serge. But the general idea of her having an unhappy love affair could also be another "help" for her descent into hell, into madness. Another "hint". And a very good one indeed. In very good shape Mr. Lazik is a very correct and competent dancer that seems to have a following in Vienna.

Jacopo Tissi, as “the partner’s friend” (Serge Lifar's "lover"), showed a beautiful stage presence. Very clean features, long legs, a beautiful line and a precise certainty in his technique - and by the way, giving his solo debut on stage. A matter, a date of rare importance in a dancer's life. If he was nervous, the audience could neither feel or see it.
A very gifted young dancer that will definitely have a bright future.
I am quite sure that we will stil much from him!

Kirill Kourlaev filled the stage with strength. Looking very “pump” (a fact that was strongly accentuated by his low cut costume) he developed his character, the “Bolshevik” into a very threatening, menacing kind of man. Dangerous. Great work. In full command of the much needed stamina that this role requires he turned his relationship with Olga into a play of cards that very aggressively comes to an end. A very scary aspect of life: The dependance of one person while being dominated by another.
What is the reason? Love, sex, possessiveness, politics, craziness, instability or simply “power”? Whatever the answer may be Mr. Kourlaev showed us this nearly vicious kaleidoscope of feelings – and the amazing thing is: a dancer that is also a comic, a prince, a romatic partner, an angel, a Matador… I love versatility and Mr. Kourlaev is always surprising us.

(Copyright: Wiener Staatsoper/Ashley Taylor)

Eno Peçi as the Balletmaster brought down the house and made us nearly cry with his unfortunate destiny. So sad all that vulnerability. Mr. Peçi, another very strong dancer, in full command of his trade, of his intellect and of his art, has reached that beautiful moment in the life of a dancer which combines the total confidence of a strong technique in a young body and that certain thing called maturity with its many aspects that make all the difference between giving just a good performance or giving a performance that touches us, our hearts because of its artistry. Chapeau!

(Copyright: Wiener Staatsoper/Ashley Taylor)

Olga Esina was the biggest revelation of the evening. Never before had I seen Miss Esina in such an emotional, fragile, daring performance. Yes, daring, you read it right: Spessivtseva’s character is no bowl of cherries to perform. Her contradictions may make her even unsympathetic, generally. Miss Esina, another dancer known to all of us also because of her exquisite technique, beautiful and intelligent musical phrasing and poise as well as clean lines that are mixed with the best of classic proportions, surprised us all as the “Olga that went mad”. Even if sometimes the choreography is far from “becoming”, forcing her into even inelegant movements, poses. And she did it. Courageously. The kind of interpretation of the first magnitude, the kind you do not see frequently.

(Copyright: Wiener Staatsoper/Ashley Taylor)

Long lasting applause for the soloists as well as for string Corps-de-Ballet which united a special selection and combination of the exquisite talents of Eszter Ledan, Nina Tonoli, Flavia Soraes, Laura Nistor, Natascha Mair, Igor Milos, Alexandru Tcacenco, Ryan Booth, Jakob Feyferlik and Jaimy van Overeem just to name a few.

(Copyright: Wiener Staatsoper/Ashley Taylor)

Cutting it short: a most enjoyable evening that was carefully rehearsed – and when I speak of “carefully” I mean “with great care”. For details, for effects, for emotions. Everything single element carefully thought of, "round".
Bravo, Monsieur Legris for once more presenting the Viennese Audiences with a ballet that could be called “un objet d’art” of the finest bone china.

Merci.
Vienna, April 13th 2015
Ricardo Leitner


Probenvideo – Giselle Rouge from DelbeauFilm on Vimeo.



Boris Eifman’s `Giselle Rouge´- Trailer from DelbeauFilm on Vimeo.


(Videos' Copyright: Balàzs Delbo/Delbeaufilms)

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Maybe this time (Kristin Chenoweth)


Kristin "arrasando" de novo, como de costume...


Quem foi que um dia disse que certas músicas só tem realmente "um" intérprete?

Não me lembro... e o que importa? Esta pessoa não tinha mesmo razão...

Acho que neste caso até a própria Liza o admitiria.



e mais madura...

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Wiener Staatsoper: Josephs Legende (Davide Dato & Ketevan Papava)


Sometimes the power of Marketing and Advertisement can be quite underestimated... History shows us many examples, art history even more. It takes just that certain, precise and (very) lucky moment to be on the right spot at the right time…

Just a few weeks ago marvellous Denys Cherevychko had one of the biggest hits of his career with Neumeier’s “Joseph’s Legend”. Definitely a very well-deserved success. No question about that.

But everything can be interpreted from different points of view and to my particular taste, I feel that the marketing Machinery of the State Opera performed perhaps a “bit too well” with him and overlooked a lot another precious performance.


The whole (ballet) media work concentrated on both Mr. Cherevychko’s and Miss Horner’s performances (culminating at their presence at the Opera Ball, which was quite unusual, especially if considering that Miss Horner is not a soloist), neglecting a bit the “other cast” - no expressions like "second cast" here - that was also performing.
Performing splendidly, by the way, as you’ll be able to witness in the following video – a new, beautiful work from Balàzs Delbo (© Delbeau Film).

The splendid performances from dancers like Davide Dato, Ketevan Papava and Eno Peci were not as talked about and discussed as they would have deserved.
One thing is more than clear: their rendition is of another sort. One cannot talk about “a notch above” but surely of subtleness. Intelligent subtleness. Another “reading” of the same theme.


In order to avoid any misunderstandings, I am just ALSO trying to highlight Mr. Dato’s and Miss Ketevan’s performances. I surely loved Mr. Cherevychko and Miss Horner but I still believe that there is place enough in the Media to accommodate different, marvellous interpretations of the same role, even if given by other performers. Think about the ABT, New York City Ballet, Covent Garden and the Paris Opera and the different Auroras, Giselles and Albrechts, Odettes and Odilles, Basils and Kitris from each and every Season…
This “richness” of choice teaches the audiences to think more compare, learn, ponder, develop healthy criticism… and not take anything for granted!
Audiences here are in quite a desperate need of learning that.

Unfortunately our “Austrian way of thinking” is quite “passé” specially concerning the contemplation of different talents.
Our world nowadays offers us so many talents and unlimited possibilities – it is quite normal to have different interpretations and “readings” of a same role at the same time… but we do not seem to adapt to that.


Passed and gone are the times in which only existed a “Nureyev”, or just one “Baryshnikov or perhaps a “Makarova”.
Unfortunately austrian audiences (and Press) tend to keep attached to this old-fashioned idea that there only exists one talent at the time…
and the media work, in this particular case of "Joseph`s Legend, reflected just that.
Times have changed, audiences all over the world too and so should we…

Let’s think about that…

P.S. I would like very much to point to the wonderful rehearsal pictures. © Ashley Taylor – you will surely hear this name quite frequently in the future.


DAVIDE DATO AS JOSEPH from DelbeauFilm on Vimeo.

domingo, 22 de março de 2015

Judy, "A Star is born" and the (lost) Oscar: a qualidade de rir de si...


Ninguém sabia rir de si mesma como Judy quando decidia contar algum fato "biográfico".

Humor natural, espontaneo no "auge" de sofisticação...



Adoro quem sabe rir de si mesmo...
Qualidade esta que torna-se a cada dia mais rara:
as pessoas levam-se tão à sério... pois é...
coitadas... se soubessem como tudo é tão efemero...

Isso me faz lembrar palavras muito sábias um dia exclamadas por Margot Fonteyn:

"Take your work seriously but never yourself"






Agradecimento à querida amiga Carla Marinho que, ao postar estas fotos no Facebook, lembrou-me do fato "rir de si mesmo" e inspirou-me a escrever estas linhas sobre Judy!

sábado, 14 de março de 2015

Little Me: The Intimate Memoirs of that Great Star of Stage, Screen and Television

Com certeza um dos livros mais divertidos que li nos últimos anos…

Trash at its best!!!!!!!

"Little Me: The Intimate Memoirs of that Great Star of Stage, Screen and Television as told to Patrick Dennis", ou simplesmente "Little Me".


Antes de “tertuliar” rápidamente sobre este livro, algumas palavras sobre seu genial autor; Patrick Dennis, para muitos conhecido pelo livro “Auntie mame” (e posteriormente pela peça teatral e pelo filme “Auntie Mame” com a deliciosa Rosalind Russel assim como por “Mame”, o musical da Broadway estrelado por ninguém menos do que a maravilhosa Angela Lansbury e depois filmado com Lucille Ball).

Dennis (ou melhor, Edward Everett Tanner III) tornou-se uma sensação ao publicar „Auntie Mame“ (que passou 112 semanas consecutivas na lista dos „Bestseller“ e vendeu mais de 2 milhões de cópias em cinco idiomas), apesar deste ter sido recusado por uma série de editoras.
No auge de seu sucesso mais de 1.000 cópias de “Mame” eram vendidas por dia… Da noite para o dia ele tornou-se um milionário!

Em 1956, com “Auntie Mame” e também “The Loving Couple: His (and Her) Story” e “Guestward, Ho!
Dennis tornou-se o único escritor da história a ter tres livros na lista de Bestsellers do New York Times - ao mesmo tempo!


Seu trabalho porém saiu de “moda” nos anos 70 e ele arruinou-se financeiramente. Dennis, que nunca acostumou-se ao fato de ter perdido todo sua fortuna e investimentos, queria manter sua vida na "alta-sociedade”.
Por esse motivo tornou-se um mordormo.
Emprego este que, segundo seus amigos, lhe divertia imensamente.

Ele inclusive trabalhou para Ray Kroc, o fundador do “McDonald’s”. Já que usava seu nome verdadeiro, este parecia mais funcionar como uma espécie de pseudonimo… nenhum de seus patrões jamais fez a associação entre “Tanner” e o (mundialmente famoso) autor Patrick Dennis…

Ele, um incurável snob intelectual, foi uma vez ouvido ao se referir a seu patrão (Kroc) e seu círculo social: “Jamais conversaria com esta gente, isto me é felizmente poupado na minha afortunada posição no momento. Não me importa servi-los mas sim me incomodaria muito ter que conversar com eles”.

Este excêntrico genio faleceu aos 55 anos de idade de cancer pancreático…

Na virada do milênio houve uma espécie de “renaissance“ de interesse sobre seu trabalho e, graças a Deus, muitos de seus livros podem ser novamente obtidos... mesmo assim consegui uma cópia da edição original de «Little me» que me foi enviada por correio de um «sebo» que se encontra em Canberra e que me fornece assíduamente «maravilhas literárias» que já há muito foram olvidadas...


“Little me”, como contado (na primeira pessoa) para Patrick é uma paródia sobre aquelas “auto-biografias cheias de confissões”, de uma série de celebridades dos anos 40 e 50 que descreviam suas jornadas pela vida numa espécie de frenesi, delírio à la “personalidade e carisma passando por cima de obstáculos”...

A “autobiografia” de “Belle Poitrine” (em portugues “belo peito”) sobre sua jornada, seus sucessos (pouquíssimos), seus fracassos (muitos) e sua incapacidade de reconhece-los como desventuras (muito pelo contrário). Ela é uma espécie de fútil Zsa Zsa Gabor, uma loura que é excessivamente desenvolvida (físicamente, «toráxicamente», if you know what I mean… ) além de extremamente egocentrica e sobre-exposta, assim como totalmente sem pistas ou noções sobre arte dramática - sem nenhum talento!


O começo do livro, delciosamente escrito, nos prende por completo: Maybelle Schlumpfert (antes de transformar-se na “diva” Belle Poitrine), descreve sua infancia e sua pobre casa, na qual mora com sua mãe. Situada num pobre bairro e bastante pequena.

Mesmo assim ela se orgulhava da linda decoração feita por sua senhora mãe – e comenta do como suas amigas da escola teriam admirado o impecável gosto e requinte com que a casa foi arrumada. Então ela nos obriga a ler uma lista de Bric-à-brac e outras peças de gosto questionável, culminando com um abat-jour na janela da sala, sobre o qual sua mãe colocou um lindo lenço vermelho que "dava à sala um lindo toque de cor-de-rosa”… assim somos introduzidos à “profissão” de sua mãe…

Só há uma palavra para descrever este hilário trabalho: bawdy (lascivo, irreverente, indescente, obsceno) e mesmo assim muito cheio de humor, na verdade hilário…


Mas isso não é tudo: paralelamente ao livro, Cris Alexander fez um trabalho fotográfico maravilhoso sobre a trajetória de “Belle” que foi integralmente incluído no livro – este trabalho combina fotos retocadas do início do século (como fundo para montagens) em contraste com as “atuais” que exibem amigos, a família de Dennis, inclusive Louise (a esposa de Dennis), seus filhos, uma empregada, o bailarino Shaun O’Brien (o amante de Dennis), a comediante Alice Pearce, o “beefcake” Kurt Bieber e as atrizes Dodie Goodman e Jeri Archer – a última criando “Belle”.



Muitas fotos foram consideradas na época “risqué” e foram censuradas. Estas foram infelizmente perdidas durante os anos em que este livro "sumiu" das prateleiras...


A linha dramática do livro não é realmente o que mais importa – uma espécie de “dos trapos e farrapos às riquezas aos trapos e farrapos de novo e de volta às riquezas” (os “ups and downs” financeiros de Miss Poitrine) - porém seu tom “meigo e honesto”.

Só para citar um exemplo e me fazer mais compreensível:
no início do livro, ao sermos apresentados à Belle, uma candida Miss Poitrine nos conta que nasceu em 1900 e que cada capítulo do livro envolve uma década de sua vida…
Ao chegarmos ao sexto capítulo lemos o título: “Frankly forty”…


Eu adiciono: “Francamente, Belle is cult!”.


P.S. “Little me” fo transformado num musical, que abriu no Lunt-Fontanne Theatre (NY) em 1962 (roteiro de Neil Simon e música de Cy Coleman) que teve uma bonita e longa temporada por 257 espetáculos…

Despertei sua curiosidade?

domingo, 8 de março de 2015

In our Garden of Joy (Julie Andrews, "Star!")

„Star!“ (Robert Wise, 1968/69), filme biográfico sobre Gertrude Lawrence, foi um fracasso...

O filme tinha tudo para ser um sucesso: Julie Andrews, logo depois de "Mary Poppins" e "The Sound of Music", a estrela melhor paga da época, direção de Robert Wise, músicas de Gershwin, Cole Porter e Noel Coward (para citar alguns), uma fantástca (e caríssima) produção, coreografia de Michael Kidd e por aí vai a lista.


Mesmo assim fracassou terrívelmente com a crítica e o público… sendo ainda, de forma humilhante, ofuscado por “Funny Girl”, outro filme biográfico (sobre Fanny Brice e da mesma forma "olf-fashioned" para a época) com Barbra Streisand. Estávamos na época de "Easy Rider" e de Nicholson, Peckimpah, anos distante de musicais sofisticados...

“Star!” tem vários números musicais interessantíssimos - que talvez lhes mostre no futuro.

Hoje gostaria só de rever com todos voces “In our Garden of Joy”, número de Music-Hall londrino, bem no início do filme e da carreira de Gertrude Lawrence. Um ótimo veículo para a comicidade de Andrews…

Alegra-me muito o fato de de que, quase 50 anos depois, “Star!” tenha adquirido o status de “cult”, tendo sido relançado há poucos anos…

Justiça. Antes tarde do que nunca…