terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Leslie Caron e "The doctor's dilemma": de Mrs. Dubedat à Gigi...

Em nenhum outro filme a beleza nada convencional de Leslie Caron foi tão be usada pelas cameras como em „The doctor’s dilemma“, filme que foi feito em 1958 (nos estúdios da MGM britanica) no princípio da fase em que viveu na Inglaterra casada com o diretor de teatro Peter Hall.


Sua “Mrs. Dubedat” pula um universo ao se transformar numa mulher sofisticada depois de ter sido a “hippie” (termo que não existia no século XIX mas que descreve muito bem a vida dela com seu marido, o pintor Dubedat, estupendamente criado por Dirk Bogarde).


Leslie me surpreende muito como atriz neste filme.


Sua “linha “was that death? (ou “was that THE death?”, não estou certo) me surpreende e me emociona.
Me surpreende já que vinda da “menina” que bailava ao lado de Gene Kelly e Fred Astaire, da menina que se transformava numa “fine actress” (o que já havia provado em “Lili” de 1953 e culminaria no sensível filme ingles “The L-shaped room” pelo qual foi mais uma vez nominada ao Oscar e ganhou o premio da BAFTA) e que neste ano de 1958 passaria d’uma adulta Mrs. Dubedat para o personagem adolescente de “Gigi” no filme homonimo sob direção de Minnelli.

Injustiças.
“Gigi” é uma delícia de filme mas “Dilemma” é sem dúvida superior: de muita sensibilidade e extrema artesania, extremamente "G.B.Shaw", tarefa e façanha incrívelmente difíceis para um diretor... principalmente se pensarmos nas quantas filmagens bem-sucedidas do trabalho de Shaw que existem...


Para quem tiver tempo e disposição para um dia assistir “The Doctor’s Dilemma” de G.B.Shaw (recomendo) um fato interessante:
em algumas cenas no final do filme Leslie já está tão óbviamente grávida que esconde-se todo o tempo atrás d’uma capa – o que nem sempre é bem sucedido…

Este “bebe” iria visitá-la meses depois no “set” de “Gigi”, no qual parecia uma menina, quinze anos mais jovem que Jennie (Mrs.Dubedat).



Aqui tres vídeos que baixei para o "youtube" (de um DVD meu que havia feito de um Videocassete que gravei nos anos 80 na extinta "TNT").
Nada melhor do que uns pedaços de filme para mostrar o que quero dizer.

E como disse: que filme sensível!





e o final...



Dedico esta postagem à amiga cinéfila Carla Marinho!

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Revisited: Junge Talente des Wiener Staatsballets II / Young Talents from the Vienna's State Ballet (Volksoper, January 22nd 2016)

It surely is a privilege to be a direct eye-witness to what has been going on in Vienna for the last years during the so-called „Legris era“. Not only that but also to be able to follow closely the indivudual progress of so many careers… This includes, of course, our young dancers…

“Junge Talente des Wiener Staatsballets” (Vienna's State Ballet’s Young Talents) is a „small“ Gala that has a certain charm, therefore attracting a completely different audience to the “Volksoper”. Side by side with the customary (elder) Volksoper’s spectators you could find “Balletomanes”, young students from the Ballet school (screaming “Bravo” to their friends while not applauding other good dancers - politcally VERY incorrect - and this just one row behind me), an international choreographer, ex-dancers and many foreigners, attracted by Mr. Legris’ name in the auditorium.
Such “Galas” are refreshing and I must point that it is most important to invest in our young talents.
It is specially touching to witness the great progress of some dancers over just three, two years…


Since I have last seen this programme there have been minor cast changes.

After a mild beginning (Petit’s “Die Fledermaus” and “Pas des Odalisques” from "Le Corsaire”) the programme began to “warm-up” with “The Fall (Attila Bakó).
But the first true surprise of the evening was Laura Nistor in Bejárt’s “Arepo”: known as a very ethereal dancer, Miss Nistor displayed another side of her personality. Her magnificent lines were extremely well showcased in this choreography, specially underlined by the marvelous blue costume. But the point is: Miss Nistor had the chance to prove her versatility not being typecast as a “fairy” and dancing against type, she gave the clear impression of feeling very comfortable in this role. A joy.
James Stephens, from whom we’d see much more during the evening, proved once more to be a reliable, strong partner – something that cannot be said about other members of the company yet, either dancing with a girl or a boy.
I never forgot this: Rule #1 for partnering: Take care of your partner and just then (try to) look god. The other way around does not work – and is mostly disastrous. No place for vanity while on stage.
Mr. Basílio’s persona suits “Arepo” very well. But I have commented that last year.

Greig Matthews and Anita Manolova, two very promising dancers, once more delightful in “Spring and Fall”. This piece suits Mr. Matthews and his technique very well. His jumps improved but most of all, he was at ease, not only with the beautiful use of his arms but also with pirouettes and tours en l’air (finishing in a precise 5th position – something that became quite rare on stage nowadays).

Balanchine’s “Tarantella” – a beautiful tour de force for lovely Nikisha Fogo who finally found the perfect partner for this quick piece that is filled with stamina. Even though for a while musically a bit lost during the first part (she recovered quickly from this sudden lapse) she managed to enchant the audience. The “spring quality” of the grand pliés en pointe à la seconde is still not there – the way Balanchine intended them to be – but it does not matter.
Last year I have written very positively of her and I can only repeat every time that her progress as an artist is immense.
Géraud Wielick, simply powerful, strong, at ease with the technical challenges of the part and not looking for a single moment, as a peasant (Think of the original cast with Edward Vilella). Mr. Wielick passed the impression to the audience of having big fun while dancing. I especially enjoy the way Monsieur Legris has been investing and investing on Mr. Wielick since sometime. A gifted dancer that is beginning to flourish beautifully.

Photo: copyright Thomas Schulz

Not much to tell about Balanchine's “Valse Fantaisie” except that James Stephens was last year a much more reliable partner to Miss Tonoli.
Mr. Basílio did well on his solos, very well indeed – but perhaps the pressure of appearing in three ballets in one single evening was beginning to show.
Miss Tonoli’s exquisite arms, clean technique, lovely lines and very special charisma are something that her into a balletomane’s darling.
The classical dancer per se.
I am positive that we will hear and be seeing even more of Miss Tonoli in the near future.

Chroreographically speaking “Creatures” is my favourite piece of this programme.
A programme that was carefully put together by Monsieur Legris to lighten up hs young dancers.
Patrick de Bana’s incomparable "magical" touch/style (which is so rich i its use of different languages) comes wonderfully to life when danced by dancers like Nikisha Fogo, Francesco Costa, Marian Furnica & Géraud Wielick. Three boys with amazing physiques.
Miss Fogo, a dancer without affectations, grew up even more in this role since last year: the intense richness of her performance, her remarkable technique and musicality – all three combined - enthralled the audience once more (I love the effect of her pas-de-bourrées in comparison to the more “earthy”, round, sometimes pelvis-centered movements of the boys).
That “magic moment” in which the “love affair” between the public and the artist came true once more.
“Creatures” is one of the best rehearsed pieces of the show and one can feel how much accurateness the dancers dedicate to it and the full understanding, full awareness that they have about what they are doing.

Francesco Costa once more a show-stopper in “Le Bourgeois”. Incredible energy.
Not one of my favourite pieces - but still... audiences love it - its humour, its (sometimes) circus-like line...

“Proust” was a disappointment for me: Mr. Stephens was (like Jacopo Tissi in the past) perfectly cast but Mr. Basílio was wrong for the role.
He seemed tired and not at ease (already having danced “Arepo” and “Valse Fantaisie”). His grands Battements jetés balancés (backwards) were notably skew - and that was very obvious from the audience's angle of view. Another dancer, not so “strong”, would have suited this role better. But do not misunderstand me: Mr. Basílio is a gifted dancer. There is only some more work to be done.
Mr. Stephens and his fine lines, gave a very good and clean display of technique and emotions.

The “finale” ( “Grand Pas classique”) was a curious piece to watch.
Both dancers (Adele Fiocchi and Marian Furnica) performed well – when NOT dancing with each other.
Together their chemistry simply did not work, did not match. That happens sometimes.
Appart? They were nice.
Another case of partnering.

Resumée: a most enjoyable “revisted” evening - especially what progress is concerned.
Most enjoyable indeed.
Congratulations Vienna's State Ballet for such a wonderful new generation!

domingo, 17 de janeiro de 2016

Deborah Kerr: our love Affair (An Affair to remember, 1957)


Um eterno e lindo filme – por mais „schmalzy“ que seja – para nos fazer chorar de emoção... e de felicidade!

Sempre amei e sempre amarei Deborah Kerr.


Para mim ela simboliza a dignidade, a classe de muitas „britanicas“ (ela era escocesa) com seu maravilhoso porte, sua pele branca e uma elegancia discreta, quase em “understatement”…
Breeding… good breeding… very good indeed.
E tudo isto além de ser uma fortaleza, em relação ao seu trabalho, atrás desta fachada de “english rose”.

Já nao se "produzem" Ladies como essa... "saíram de moda"!

E que orgulhoso sou, neste caso, de ser démodé!

Como alguém disse um dia, sábiamente: ela possui “aquela qualidade” que nos faz entender porque “eles” (os britanicos) ganharam a Guerra.

Obrigado Miss Kerr por esta maravilhosa cena, que é, mais uma vez, mais do que bem-vinda nesta fase de minha vida - uma que está cheia de amor.

domingo, 10 de janeiro de 2016

Kristin Chenoweth in "The music Man": Till there was you


♪ ♫ There were bells on a hill
But I never heard them ringing
No I never heard them at all
till there was you ♫ ♪

♪ ♫ There were birds in the sky
But I never saw them winging
No I never saw them at all
till there was you ♫ ♪


Then there was music and there were wonderful roses
They tell me in sweet fragrant meadows of dawn and dew

♫ ♪ There was love all around
But I never heard it singing
No I never heard it at all
till there was you ♫ ♪

till there was you

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Feliz Ano-Novo!


Despedido-me sem muitas saudades e tristezas de 2015 e dando as boas-vindas a 2016, no qual coloco muitas esperanças…

Colocar esperanças no Ano-Novo…

Não é o que muito de nós fazem, todos os anos?

Que bom que temos esta singular qualidade e que ainda mantemos este otimismo, simples e contagiante, dentro de nós…

É mais do que um sinal que a “criança” no nosso interior ainda existe… e isso é bom, muito bom! Revela mais do que vemos, nos ensina que nosso instinto ainda quer nos preservar, que nossas forças são maiores do que pensamos!


Apesar de 2015 não ter sido um ano dos mais felizes, despeço-me dele com leveza no coração, respeito e “de bem”!

Desejo a todos um lindo ano, acima de tudo um ano de PAZ!

É o que nós necessitamos, é o que o mundo mais necessita agora!
Feliz Ano-Novo!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

2015: Merry Xmas e um Feliz Natal!

Uma das minhas „ceninhas“ mais queridas dos filmes de Natal…


Em „The miracle on 34th Street” (o verdadeiro… Yes, juro!) Kring Kringles/Santa Claus/ Papai Noel (Richard Attenborough) está trabalhando numa Department Store em New York.
Uma menininha chega acompanhada da mãe e esta logo lhe diz que ela é surda/muda e que ele nao necessita falar com ela pois ela quer só mesmo olhá-lo…
Ele transforma esse momento num lindo e inesquecível momento para a menininha… e para mim… e para nós… ohhhh... (E eu AMO e dou muito valor ao olhar de agradecimento da mãe!)

Sentimental Ricardo? Sim!
Nesta época do ano me dou este luxo…
(E quero mais filmes de Natal assim! Oh, please!)

Beijos para todos e meus votos de um feliz Natal, cheio de PAZ!
E compreensão, nenhum medo ou preconceito, amor, carinho para todos os povos que agora - aqui na Europa - estão tendo que se ajustar uns ao outros...
Sim: o mundo está mudando e a partir de agora não será mais importante "TER", porém "SER"!
(Obrigado à Licia Marques por palavras assim, sábias!)

Paz para nós todos! E para o Mundo!

sábado, 12 de dezembro de 2015

Richard Avedon and his clothes Horses: Veruschka

Richard Avedon e mais um de seus „Clothes Horses“: a incrível, iconica Veruschka!


Ela nasceu Vera Gottliebe Anna Gräfin (Condessa) von Lehndorff-Steinort em 1939 em Königsberg (Prussia do Leste), hoje conhecida como Kaliningrad, Rússia.

Trabalhou com „Deus e o mundo“: de Salvador Dali a Peter Beard e até apareceu em „Blow-up“ de Antonioni: filme que descreve perfeitamente a atmosfera da louca, „swinging London” dos anos 60!


Mesmo assim, considero sua colaboração com Avedon a mais frutífera de sua carreira – ele a captou na sua fina essencia…

Fato que seria confirmado ao terminar sua carreira por causa de uma desavença com Grace Mirabelle (na época Editora chefe do Vogue) em 1975:
“Ela queria me transformar em burguesia e eu não queria ser isso”


sábado, 5 de dezembro de 2015

Poor little Pierrette... delicadeza...


Para os amantes das delicadezas que fazem tanto bem à nossa alma, aqui uma ceninha, que quase já esquecida, me trás vivas memórias… acho que eu tinha uns 11 anos de idade quando descobri esta pequena declaração de amor ao filme musical no (extinto) Metro Copacabana… A foto dos protagonistas (Twiggy & Christopher Gable) dançando sobre um disco (numa imensa eletrola) me chamou a atenção e pedi para ser levado a esse filme... Meu "caso de amor" com o cinema musical já havia começado sem eu me dar conta...


Mas só alguns poucos anos depois, numa daquelas maravilhosas sessões tardias das noites de sábado no Cine Paissandú (Rio de Janeiro, Flamengo), realmente “vi” este filme.
Ricas memórias de descobrir um diretor de Cinema “chamado” Ken Russell e sua maravilhosa linguagem cinematográfica…
Russell e os varios atores de sua “troupe” com quem várias vezes trabalharia: Glenda Jackson, Christopher Gable, Georgina Hale, Moyra Fraser, Max Adrian…
Todos, excepcionalmente talentosos, bem ensaiados e “pin pointed” nos mínimos detalhes dos seus papéis, contribuem definitivamente para esta pequena jóia do Cinema.



Tudo de excelente gosto: O guarda-roupa concebido pela esposa de Ken, a talentosíssima Shirley Russell, os cenários do fantástico Tony Walton que se adaptam ao “mood” de cada cena (No caso de “Pierrete”, quando ela vai rio abaixo, nos lembrando um fictício passeio por gravuras de Erté), o roteiro que transformou uma estorinha boba (que tinha sido estrelada por Julie Andrews em seu Debút Americano em 1954) dando asas à imaginação de Russell e fazendo com que esse a colocasse como uma peça (com toda uma intriga backstage que é deliciosamente louca, vezes hilária), que está sendo assistida por um produtor de Hollywood que imagina todas as cenas como números musicais de grande explendor... prato feito para as loucuras visuais de Ken!


Twiggy no seu primeiro papel como atriz ("deliciosamente amadora" como uma crítica citou), todo o elenco dançando no Background (Antonia Ellis - que se transformaria na produtora de "Sex and the City", Tommy Tune, Georgina Hale, Barbara Windsor e vários outros) e a excelente Moyra Fraser (que cria a “louca” Madame Dubonet) cantando o número "Poor little Pierrette", exageradamente “francesa”, pitoresca, caricata e... maravilhosa!


Clichés e mais clichés.
Ahhh... Deliciosos clichés…

Delicadeza pura! Um mimo e uma carícia para nossas almas…
Neste dezembro de 2015 estamos precisando delas...

sábado, 28 de novembro de 2015

Show me: Julie Andrews (My fair Lady)

Estranhamente, com o passar dos anos, tendemos a esquecer que Julie Andrews foi a „original“ Eliza em My Fair Lady na estação de 1955/56 na Broadway.
Já que só a "imagem" da (sicronizada) Audrey Hepburn permanece na nossa memória...


Que felicidade encontrar este raro video na Internet… mesmo que estranhamente colorido…

Julie em 1962 na TV, “reprisando” (depois de já ter encerrado sua temporada como Guenevere em “Camelot”) a linda e rebelde Eliza num momento de liberação…

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Richard Avedon and his clothes Horses: Carmen dell'Orefice


Aos 84 anos de idade Carmen dell'Orefice é, atualmente, a mais antiga modelo/manequim viva e ainda ativa no mundo da moda...

Numa fase muito intensa de trabalho ela colaborou muito nos anos 50 com o "genio" Richard Avedon!
Aqui alguns desses trabalhos - cheios de um equilíbrio e harmonia únicos!


Maravilhosas fotos, repletas de um "quoi" de elegancia que se tornou muito raro nos dias de hoje.
Para nao dizer inexistente.



É desnecessário dizer que Carmen está vestindo obras de arte de Dior, Schiaparelli, Balenciaga, Givenchy...




Me encantam até hoje as composições „Avedonescas“ não só cheias de (como já disse) um equibrio (quase matemático) e harmonia porém vibrando com uma certa teatralidade, como que contando nos uma estória em flashes…
Como imitado foi… mas seus "plagiadores" (conheço um, por acaso!) não chegaram nada próximos ao seu talento, do seu uso úncio do preto-e-branco.



Abaixo uma rara foto de Carmen com outra musa (e "Clothes Horse" de Avedon sobre quem já escrevi): Dovima







Eu poderia continuar para sempre, analisando e re-analisando estas fotos tenho porém que terminar com duas das minhas prediletas...

O rosto, os fascinantes olhos de Carmen, encantadores, mágicos e únicos, numa dramática explosão de luz...


...e numa variação de um tema que já vimos acima, porém mais intensamente denotado em sua postura, a de uma bailarina barroca.
Viva a fantasia, esta que me faz ver tantas coisas!
Devo ser louco - mas se voce leu tudo isso e chegou aqui - deve ser também!